Aa Aa Aa

O que é ortodontia?

Ortodontia é uma especialidade odontológica que corrige a posição dos dentes e dos ossos maxilares posicionados de forma inadequada. Dentes tortos ou dentes que não se encaixam corretamente são difíceis de ser mantidos limpos, podendo ser perdidos precocemente devido à deterioração e a doença periodontal. Também causam um estresse adicional aos músculos de
mastigação que pode levar a dores de cabeça, síndrome da ATM e dores na região do pescoço, dos
ombros e das costas. Os dentes tortos ou mal posicionados também prejudicam a sua aparência.
O tratamento ortodôntico torna a boca mais saudável, proporciona uma aparência mais agradável e
dentes com possibilidade de durar a vida toda.

Em que idade deve ser realizada a primeira consulta ao ortodontista?
Apesar de não existir idade mínima para realizar a primeira consulta ao ortodorítista, a época mais oportuna para se procurar um ortodontista é no começo da troca dos dentes de leite pelos dentes permanentes, ou seja, no início da dentição mista.

Como saber se preciso de um ortodontista?

Apenas seu dentista ou ortodontista poderá determinar se você poderá se beneficiar de um
tratamento ortodôntico. Com base em alguns instrumentos de diagnóstico que incluem um
histórico médico e dentário completo, um exame clínico, moldes de gesso de seus dentes e
fotografias e radiografias especiais, o ortodontista ou dentista poderá decidir se a ortodontia é
recomendável e desenvolver um plano de tratamento adequado para você.
Se você apresenta algum dos problemas abaixo, pode ser um candidato para o tratamento
ortodôntico:
• Sobremordida, algumas vezes chamada de“dentes salientes” – acontece quando os
dentes anteriores superiores se posicionam muito à frente da arcada inferior.
• Mordida cruzada anterior – uma aparência de “bulldog”, quando a arcada inferior está
projetada muito à frente ou a arcada superior se posiciona muito atrás.
• Mordida cruzada – ocorre quando a arcada superior não fica ligeiramente à frente da
arcada inferior ao morder normalmente.
• Mordida aberta – espaço entre as superfícies de mordida dos dentes anteriores e/ou
laterais quando os dentes posteriores se juntam.
• Desvio de linha mediana – ocorre quando o centro da arcada superior não está alinhado
com o centro da arcada inferior.
• Diastema – falhas, ou espaços, entre os dentes como resultado de dentes ausentes ou
dentes que não preenchem a boca.
• Apinhamento – ocorre quando existem dentes demais para se acomodarem na arcada
dentária pequena.

Como funciona um tratamento ortodôntico eficaz?

Diversos tipos de aparelhos, tanto fixos como móveis, são utilizados para ajudar a movimentar os
dentes, retrair os músculos e alterar o crescimento mandibular. Estes aparelhos funcionam
colocando uma leve pressão nos dentes e ossos maxilares. A gravidade do seu problema é que irá
determinar qual o procedimento ortodôntico mais adequado e mais eficaz.

Aparelhos fixos podem ser:
• Aparelho fixo – este é o tipo mais comum de aparelho, consiste em bandas, fios e/ou
braquetes. As bandas são fixadas em volta de vários dentes ou um só dente, e utilizadas
como âncoras para o aparelho, enquanto que os braquetes são presos na parte externa do
dente. Os fios em forma de arco passam através dos braquetes e são ligados às bandas.
Apertando-se o arco, os dentes são tracionados, movendo-se gradualmente em direção
posição correta. Os aparelhos fixos são geralmente apertados a cada mês para se obter os
resultados desejados, que podem ocorrer no prazo de alguns meses até alguns anos.
Atualmente eles são menores, mais leves e exibem bem menos metal que no passado.
Podem apresentar cores vivas para as crianças, bem como estilos mais claros, preferidos
por muitos adultos.
• Aparelho fixo especial – utilizados para controlar o hábito de chupar o dedo ou a língua
“presa”, estes aparelhos são fixados aos dentes através de bandas. Por serem muito
desconfortáveis durante as refeições, devem ser utilizados apenas como um último recurso.
• Mantenedor de espaço fixo – se o dente de leite é perdido precocemente, um protetor
de espaço é utilizado para manter este espaço aberto até que o dente permanente nasça.
Uma banda é cimentada ao dente próximo ao espaço vazio e um fio é estendido até o
dente do outro lado do espaço.
Aparelhos móveis incluem:
• Niveladores – uma alternativa para os aparelhos convencionais para adultos, niveladores
em série estão sendo utilizados por um número crescente de ortodontistas para mover os
dentes da mesma forma que os aparelhos fixos, mas sem os fios de aço e os braquetes. Os
niveladores são virtualmente invisíveis e removíveis para que o usuário possa se alimentar,
escovar os dentes e passar o fio dental.
• Mantenedores de espaço móveis – estes aparelhos têm a mesma função que os
mantenedores fixos. São feitos com uma base acrílica que se encaixa sobre a mandíbula e
têm braços de plástico ou arame entre determinados dentes que devem ser mantidos
separados.
• Aparelhos reposicionadores de mandíbula – também chamados de talas, estes
aparelhos podem ser utilizados no maxilar superior ou mandíbula, e ajudam a “treinar” a
mandíbula a fechar em uma posição mais favorável. São utilizados para disfunções da
articulação temporomandibular (ATM).
• Amortecedores de lábios e bochechas – são destinados a manter os lábios e bochechas
afastadas dos dentes. Os músculos dos lábios e bochechas podem exercer pressão sobre os
dentes e os amortecedores ajudam a aliviar esta pressão.
• Expansor palatino – um mecanismo utilizado para alargar o arco da mandíbula superior.
Consiste em uma placa de plástico que se encaixa sobre o céu da boca. A pressão externa
aplicada sobre a placa por meio de parafusos força as juntas dos ossos do palato a se
abrirem para os lados, alargando a área palatina.
• Contentores móveis – utilizados no céu da boca, estes aparelhos de contenção previnem
que os dentes voltem à posição anterior. Podem também ser modificados e utilizados para
evitar que a criança chupe o dedo.
• Aparelho extrabucal – com este aparelho, uma faixa é colocada em volta da parte de
trás da cabeça, e ligada a um elástico na frente, ou um arco facial. Este aparelho retarda o
crescimento da maxila e mantém os dentes posteriores onde estão, enquanto os dentes
anteriores são empurrados para trás.

Quanto tempo demora em média o tratamento?

É difícil de se prever o tempo de um tratamento ortodôntico, pois este depende de vários fatores, como respostas biológicas individuais, tipo de má oclusão, tipo de aparelho utilizado e colaboração do paciente. Um tempo médio é de vinte e quatro a trinta meses de tratamento ativo.

É dolorido?
0 tratamento ortodôntico, no início, causa uma certa sensibilidade, principalmente na fase de colocação do aparelho. Após essa fase, existirá algum desconforto para o paciente cerca de 24 a 48 horas após os ajustes praticados pelo ortodontista.

Se os pais possuem má posição dos dentes, o mesmo pode ocorrer com os filhos?
Sim. Apesar de o problema genético ser um dos fatores do aparecimento da má oclusão nos filhos, outros fatores podem levar a tratamento ortodôntico, como respiração bucal, sucção prolongada de dedo ou chupeta, deglutição atípica e anomalias dentais.

É necessário extrair dentes permanentes?

Em muitos casos, a extração de dentes permanentes se faz necessária, principalmente naqueles em que há falta de espaço para a acomodação de todos os dentes no arco. 0 resultado deve ser um perfil harmonioso, agradável, com lábios contactados, sem esforço muscular e perfeita harmonia dentária. Quando bem indicadas, as extrações não trazem prejuízo algum ao paciente.

Existe a possibilidade de os dentes retornarem à posição original?
À posição original, não. Podem ocorrer pequenas acomodações pós-tratamento, que podem estar ligadas ao crescimento e às alterações funcionais. Essa tendência é normalmente bem controlada e minimizada através de um bom planejamento, de perfeita execução da técnica ortodôntica, bem como da utilização correta dos aparelhos de contenção.

Texto revisado pelo Dr. Valter Luis Varise – Ortodontista da ORTOMIX – SOLUÇÕES ESTÉTICAS.