Aa Aa Aa

Bebidas e alimentos ácidos causam erosão dentária

O que é erosão dentária?
A erosão dentária é outra doença que, além da cárie, compromete a saúde bucal. No entanto, até pouco tempo atrás essa alteração não havia despertado o interesse dos clínicos e pesquisadores.
A erosão dentária é um processo progressivo e destrutivo, caracterizado pela perda do tecido duro dos dentes, por ação de ácidos contidos em bebidas e/ou alimentos ou ainda provenientes do próprio organismo.
Resulta na destruição do dente, independentemente da presença de bactérias, podendo causar alterações estéticas e funcionais ou até mesmo dor.


De que maneira a erosão dentária pode acontecer?

A ingestão de produtos altamente ácidos, tais como refrigerantes, bebidas energéticas e sucos de frutas naturais ou industrializados, é a causa mais freqüente da erosão dentária. Por isso, pode-se dizer que erosão dentária é o problema de saúde bucal da sociedade moderna, decorrente de seus hábitos alimentares. A ingestão de produtos altamente ácidos, tais como refrigerantes, bebidas energéticas e sucos de frutas naturais ou industrializados, é a causa mais freqüente da erosão dentária. Por isso, pode-se dizer que erosão dentária é o problema de saúde bucal da sociedade moderna, decorrente de seus hábitos alimentares.

Qualquer pessoa pode ter erosão dentária?
A erosão é comum em crianças e adolescentes, podendo acometer adultos. Nas crianças, a erosão surge após a administração freqüente de refrigerantes e/ou sucos de frutas naturais ou industrializados, através da mamadeira (que aumenta o tempo de contato da bebida com o dente) e/ou copo. Nos adolescentes, é resultado da ingestão excessiva de refrigerantes ou bebidas energéticas que, na maioria das vezes, são utilizados para substituir água, com o objetivo de diminuir a sede. Além disso, esportistas que ingerem excesso de bebidas energéticas (isotônicas) para repor água e eletrólitos perdidos durante as atividades esportivas podem apresentar erosão dentária. É importante ressaltar que essas bebidas, tanto sob a forma normal, diet ou light são altamente ácidas e podem causar erosão dentária.
Além dos indivíduos que têm ingestão inadequada de alimentos e bebidas ácidas, outros grupos apresentam alto risco de desenvolvimento da erosão. Trabalhadores que manuseiam produtos ácidos podem apresentar erosão, pois eles inalam a substância que está no ar. E pessoas que vomitam freqüentemente também podem apresentar dentes com erosão, pois o suco gástrico que volta para a boca é muito ácido. Desta forma, atenção especial deve ser dada ao refluxo gastroesofágico e à anorexia e bulimia nervosas.

Quais as precauções para evitar a erosão dentária?
Como a erosão é causada principalmente pelo contato direto de bebidas ou alimentos ácidos com o dente, a melhor forma de preveni-la é evitar o uso freqüente desses produtos e procurar ingeri-los fazendo uso de “canudinho”. Outro recurso seria a ingestão de produtos ácidos, juntamente com a ingestão de alimentos ricos em cálcio, como o queijo, para neutralizar a acidez. Também é importante encaminhar ao médico os indivíduos que apresentam vômitos freqüentes, para solucionar o problema.

Existe tratamento para erosão dentária?

O diagnóstico precoce acompanhado do aconselhamento da dieta e o monitoramento ajudam a tratar de forma bem sucedida e prevenir a progressão da erosão dentária. O tratamento restaurador é difícil, oneroso e requer contínuo acompanhamento. Assim, o controle racional do consumo de alimentos com altos índices ácidos será essencial desde a infância.

1. Thais Marchini Oliveira
Doutoranda em Odontologia, Área de Odontopediatria, pela Faculdade de Odontologia de Bauru/ USP.
2. Daniela Rios
Professora Doutora do Departamento de Odontopediatria do Centro Universitário de Maringá – Cesumar.
3. Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado
Professora Associada do Departamento de Odontopediatria, Ortodontia e Saúde Coletiva da Faculdade de Odontologia de Bauru/USP.

REFERÊNCIAS

1. Loon JPV, Bont LGM, Boering G. Evoluation of temporomandibular joint prosthesis: Review of the literature from 1946 to 1994 and implications for future prosthesis designs. J.Oral Maxillofac Surg 1995;53(9):984-96.
2. Thompson FR. Vitallium hip prosthesis.N Y State J Med. 1952;52(24):3011-20.
3. Brånemark PI, Hansson HA, Adell R. Osseointegrated implants in the treatment of the edentuous jaw: experience from a ten-years period. Scan J Plast Reconstr Surg 1977;11(1).
4. Mercury LG,Anspach III WE. Principles for the 13 revision of total TMJ prostheses. Int.J. Oral Maxillofac Surg 2003;32:353-9.
5. Wolford LM, Dingwerth DJ, Talwar RM, Pitta MC. Comparison of 2 Temporomandibular Joint Total Joint Prosthesis System. J Oral Maxillofac Surg 2003; 61:685-90.
6. Mercuri LG.Evoluation of temporomandibular joint prosthesis: Review of the literature from 1946 to 1994 and implications for future prosthesis designs. J Oral Maxillofac Surg 1995;53(9):984-96. Discussion.

Texto revisado pela Dra. Ana Lucia De Colla Varise – Especialista em Dentística Restauradora e Prótese Dentária da ORTOMIX